Traduzido de NetBlazer

Capítulo 49: Hiiro e a Garota

  • “Hey! Você estava falando sério agora a pouco!? Me diga!”(?)

Arnold foi levantado pelo colarinho pela pessoa que entrou na sala. Ele parecia como se estivesse sufocando.

(TL: Arnold was lifted up by the scruff of his neck // fala que ele foi levantado pela nuca. Mas mudei porque achei que não fazia sentido.)

  • “Kuu-sama! O que você está fazendo aqui!?”(Raive)

Raive também estava perplexa pela visita repentina da princesa.

  • “Ugh… eu não consigo respirar…”(Arnold)

Notando que o rosto do Arnold estava ficando Pálido, Kuclear rapidamente o soltou.

  • “Ah, d- desculpe-me!”(Kuclear)

Arnold, que tinha acabado de ser solto por ela, respirou fundo como se ele agradecesse aos céus por estender sua vida. Realmente parecia como se ele fosse sufocar um momento atrás. Se o pior viesse a acontecer ele teria partido para o outro mundo. Mesmo ela sendo uma garota, estava claro que ela herdou a força bruta dos Gabranth.

  • “E-Então, você pode por favor me dizer? Isso que você disse realmente é verdade? Essa informação veio daquela Rarashik?”(Kuclear)

Mesmo embora Kuclear não tivesse dado um passo em direção a ele, Arnold se sentiu tão intimidado que ele inconscientemente engoliu sua saliva.

  • “Ah, eh… sim. Isso é…”(Arnold)

Arnold disse a Kuclear o que Rarashik disse a ele.

  • “Por que o Rei Demônio faria aquilo com com a ponte…?”(Kuclear)

Kuclear fez a mesma pergunta que todos estavam pensando.

  • “Isso não significaria que eles não querem lutar?”(Raive)

Raive comentou casualmente.

  • “Na verdade, pode ser exatamente como a Nee-chan disse. Só que, faz pouco tempo desde que os [Evila] declararam que queriam aniquilar tudo.”(Arnold)

Isso foi durante a era o Rei Demônio passado, embora ninguém soubesse disso. Incidentalmente, Rarashik sabia disso, entretanto, ela esqueceu de passar essa informação pro Arnold e seus companheiros.

  • “Mas, se o que você disse é verdade, então Papai e o exército dele deve estar seguros, certo?”(Kuclear)
  • “Pode apostar. Eu tenho certeza que nós poderemos vê-los animados como sempre.”(Raive)

Kuclear sorriu alegremente com as palavras da Raive. Mesmo embora tenha sido ela mesma que havia sugerido ir pra guerra, ter seus aliados voltando pra casa sem nenhum ferido era sem duvidas algo digno de celebrar.

  • “Hn? A propósito, quem são vocês? Também mais cedo você chamou a Raive de ‘Nee-chan’ mas…”
  • “Aa, Kuu-sama, esse cabeça oca é meu irmão mais novo. Também, aquela garota é a filha dele.”(Raive)
  • “Heh, eu sou a filha do «Rei das Feras» Leowald do «Reino das Feras: Passion». A Primeira Pricesa: Kuclear King. Prazer em conhece-los.”(Kuclear)

Ouvindo introdução dela, Arnold rapidamente ajoelhou-se. Muir, como se imitando ele, fez o mesmo logo em seguida.

  • “Aaah, está tudo bem, está tudo bem. Eu não gosto de ser tão formal. Não tem problemas se me tratarem normalmente. Na verdade por favor me tratem.”(Kuclear)

Sob forte influencia, Arnold e Muir timidamente se levantaram.

  • “Hmm, como eu ouvi você é o irmão da… e Muir é sua filha. Prazer em conhece-lo.”(Kuclear)

Embora fosse bom ouvi-la falar de tal maneira amigável, por ela ser uma princesa, Arnold e Muir não conseguiam evitar em se sentirem tensos e confusos.

  • “Ahaha, você é tão fofa, não é! Já sei! Não teria problema se eu te apresentasse pra Mimiru.”(Kuclear)

(TL: ミミル = Mimiru / Mimir)

Raive estava prestes a dizer algo, entretanto, com o pretexto que ela certamente também iria ficar feliz em conhece-los, Raive podia apelas aceitar.

  • “Hah… de algum jeito, isso virou algo bem inesperado… não é Hiiro…eh?”(Arnold)

Embora Arnold estivesse perplexo quando a princesa apareceu, algo mais surpreendente tinha acontecido enquanto ele estava preocupado. Sendo isso que o Hiiro, que estava do lado dele alguns momentos atrás, havia desaparecido.

  • “….Hiiro?” (Arnold)

Por sua vez, Hiiro imaginava se tinha ou não algo interessante na «Árvore do Rei»,enquanto ele começou a passear. Claro, isso tudo foi feito sem que os soldados notassem.

«Transparência» (透明)

Essa foi a primeira vez que ele tinha ativado a habilidade de «Corrente Dupla». A partir desse momento, Hiiro tinha se transformado num homem invisível.

  • (Yah~ Essa habilidade é tão injusta que eu mal posso segurar meus risos.)

Os soldados pelos quais Hiiro tinha passado mal o tinham notado, ao ponto que fora como se ele tivesse andado através deles. Bem, tiveram alguns que pareceram perceber que algo estava estranho, o que fez com que o Hiiro prendesse a respiração.

  • (Os Gabranth provavelmente são muito bons em sentir a presença das pessoas. Bem, mesmo embora eles não possam me ver eu ainda tenho uma presença.)

Os Gabranth tem uma percepção mais desenvolvida que a dos humanos. Eles tem audição, tato, paladar, olfato e visão aguçados. Mesmo que ele se torna-se invisível ao olho nu, eles ainda seriam capazes de sentir a presença dele.

Depois de andar por um tempo, ele havia encontrado o que parecia ser um jardim. Lá havia uma grande quantidade de galhos que criavam um andaime, vinhas e flores crescendo no topo.

  • (…O que?)

Examinando a área, ele notou uma garota sentada num banco de madeira próximo enquanto ela segurava uma tábua de madeira.

Havia um pequeno buraco no topo da tábua.  A tábua estava amarrada ao pescoço dela com um barbante passando pelo furo*. Mesmo se ela a soltasse, a tábua não cairia no chão.

(TL:The plank hanged over the top of her head with a loop of string tied to the top hole // NetBlazer provavelmente teve dificuldades pra traduzir, eu mudei pra aquilo que fazia mais sentido.)

Olhando cuidadosamente, dava pra ver algumas folhas brancas nela. Era semelhante ao caderno de rascunhos de uma criança.

Bem no momento em que Hiiro estava pensando que ela devia estar desenhando um sketch do jardim, ela olhou diretamente para ele em surpresa.

  • “……?” (Hiiro)

Naquele momento, Hiiro pensou que o efeito da palavra “Transparência” tinha passado. Entretanto, ele sentiu que o efeito ainda estava ativo. Ele pensou por um momento que ela podia apenas estar olhando pra alguma coisa na direção dele, assim, ele continuou a encara-la.

Entretanto, pra surpresa dele, os olhos dela continuaram presos nele. Hiiro procurou por algo que tivesse ganhado a atenção dela atrás dele… mas não havia nada lá. Estava claro que ela estava olhando pra ele. Ele nem mesmo considerou que o seu corpo supostamente transparente fora detectado.

Hiiro apontou pra si mesmo sem pensar. Quando ele o fez, a garota acenou com a cabeça pra cima e pra baixo em afirmação.

  • (…O que está havendo?)

Houveram momentos onde soldados perceptivos tinham quase o notado e olharam na direção dele. Entretanto, Não havia uma única pessoa que olhou pra ele diretamente, sem mencionar reconhecer a existência dele.

Quando ele escreveu “Transparência” uma vez, a duração iria durar por volta de um minuto. Entretanto, como ele escreveu duas vezes, usando a habilidade de «Corrente Dupla», o efeito já havia durado por mais de cinco minutos.

Quando ele usou a nova palavra, ele tinha deduzido que o efeito da palavra iria continuar no lugar a menos que fosse desativado.

Esse efeito injusto era esperado de uma magia que custava 300 MP. Ele assumiu que se ele usasse a «Corrente Dupla» com «Escrita Aérea», iria custar por volta de 400 MP.

Na verdade, ele tinha escrito duas palavras com a habilidade de Escrita Aérea. Depois de checar sua tela de status, ele confirmou que havia consumido 400 MP. Isso era certo.

400 MP provavelmente não é uma quantidade  que um aventureiro normal iria ter. Enquanto isso pode ter sido injusto, isso não preocupava o Hiiro.

  • (Eu tenho certeza que o efeito deve continuar no lugar. Eu ainda devo estar transparente. Ainda assim… nossos olhos definitivamente se encontraram… certo?)

Não havia duvidas sobre isso. A garota estava olhando diretamente pra ele. Ela não apenas sentiu a presença dele, estava claro que ela era capaz de completamente reconhecer a existência dele.

Hiiro rapidamente examinou seus arredores, procurando por outras testemunhas. Parecia que nesse momento, ambos Hiiro e a garota eram os únicos presentes no jardim. Ele desativou sua magia, tornando-se visível. Ele olhou pra garota pra ver se havia uma reação, mas… não havia nenhuma. Hiiro confirmou que ela havia visto ele.

  • “…Como você pôde dizer?”(Hiiro)

Ela baixou a cabeça e começou a mover as mãos. Parecia que ela estava escrevendo algo. Depois que ela terminou de escrever, ela virou a tábua com um papel escrito, mostrando a ele o que ela escreveu.

  • [Fantasma-san](Garota)

Ela inclinou a cabeça pro lado de uma forma adorável.

  • “Você está enganada. Ou que? Poderia ser que como a habilidade dela de sentir o paranormal era tão alta que ela foi capaz de me ver?”

A garota piscou em confusão enquanto ela começou a escrever.

  • [O que é a habilidade de sentir o paranormal?](Garota)
  • “Em vez de escrever, você não poderia apenas falar? É uma questão de eficiência.”(Hiiro)

Quando a garota ouviu aquelas palavras, ela ficou sombria enquanto fez uma expressão de que sentia muito.

  • [Eu me desculpo. Mimiru, é incapaz de falar.](Mimiru)

Hiiro ficou em silencio. Ele entendeu o significado daquelas palavras. Ela por alguma razão desconhecida, tinha perdido a habilidade de falar. Julgando pela atitude dela, a causa não era algo tão simples como uma dor de garganta.

  • “…é mesmo? Sinto muito por isso. Me perdoe.”(Hiiro)
  • [Não, por favor não se preocupe com isso.](Mimiru)

Como esperado do Hiiro. Ele não era tolo ou arrogante o suficiente para tratar uma criança, especialmente uma com uma incapacidade, desrespeitosamente. Embora a resposta dele tenha sido um pouco dura.

  • “De qualquer forma, sobre antes. Eu não sou um fantasma. Você entende o que eles são?”(Hiiro)
  • [Sim. Parece que a única que pode vê-los na minha família sou eu.](Mimiru)
  • “Entendo. Não importa em que mundo você está, tem sempre alguém que desenvolveu um sexto sentido.”(Hiiro)
  • [……?](Mimiru)

Hiiro sabia que ela não entenderia o que sexto sentido significava. Seria problemático explicar pra ela. Assim, Hiiro apenas deixou de lado.

  • “Não se preocupe com isso. Parece que sua percepção é muito melhor que o normal.”(Hiiro)
  • [Isso é algo bom?](Mimiru)
  • “Quem sabe? Mas é melhor tê-la do que não, certo?”(Hiiro)
  • [Então está tudo bem.](Mimiru)

Seriamente considerando que fosse uma bênção, ela sorriu. Em seguida, ela tirou um lenço e limpou a testa. Como estava quente do lado de fora, não podia ser evitado.

A garota não parecia ter mais de 10 anos. Ainda assim, julgando pelo sorriso dela, ela passava a sensação de ser bem mais velha. É como se ela tivesse o sorriso de um adulto.

Ela tinha um longo cabelo marrom avermelhado que crescia passado da cintura. Uma grande fita estava amarrada próxima ao topo da cabeça dela, proeminente como se fosse a marca registrada dela. Ela não parecia voluptuosa, ainda assim seus charmosos olhos cor de avelã e pele branca lúcida praticamente garantiam que ela iria crescer pra se tornar uma linda dama no futuro.

As orelhas de animal* e a cauda oscilante dela fazia com que ela parecesse tão fofa que Hiiro determinou que ela deveria ser mantida longe do Arnold. Embora o Arnold não fosse um lolicon, Hiiro não queria imaginar o que iria acontecer se o Arnold encontrasse uma garota fofa parada diante dele.

(TL: Her pico-pico besat ears// pico-pico, não faço ideia do que seja. E simplesmente encaixar no texto ficava estranho então…)

  • (Contudo, por algum motivo, quando eu olho pro rosto dela, alguma coisa continua a me incomodar.)

Mesmo embora aquele sorriso fosse um sorriso genuíno, parecia artificial por algum motivo.

  • [Fantasma-san. O que você está fazendo aqui?](Mimiru)
  • “Eu já te disse que eu não sou um fantasma. Além disso, eu só vim aqui por acaso.”(Hiiro)
  • [Você sabe que lugar é esse?](Mimiru)
  • “A «Árvore do Rei», certo? Não é como se eu tivesse me esgueirado até aqui. Na verdade, eu fui trazido aqui pelos meus companheiros.”(Hiiro)

Entretanto,  ele teve certeza de deixar de lado o fato de que ele estava apenas passando sem rumo pela «Árvore do Rei».

  • [Entendo. Essa é sua primeira vez aqui?](Mimiru)
  • “Aaah”(Hiiro)
  • [Eu gosto desse lugar também. Quando eu tinha cinco, uma doença tirou minha voz. Desde então, eu venho aqui com bastante frequência.](Mimiru)

Pelo que ela tinha acabado de dizer, parecia que ela não nasceu muda. Uma séria doença fez com que a garganta dela ficasse tão danificada, que ela perdeu a habilidade de falar.Silêncio envolveu a área. Isso era um sinal que significava que não havia mais nada a ser dito.

  • (Bem, eu resolvi o enigma que estava me incomodando. E acho que deveria…)

No momento que Hiiro estava prestes a partir, a perna da garota subitamente escorregou.

  • “Tsk”(Hiiro)

Hiiro instintivamente correu em direção a garota. Enquanto ele evitou que ela caísse, ele a segurou em seus braços.

  • “Droga… sem pensar eu…”(Hiiro)

Enquanto Hiiro começou a criar desculpas em sua cabeça, ele deitou a garota no banco pra descansar. Entretanto, enquanto ele olhava pro céu, ele notou um sol escaldante. Atualmente era a estação de Raer (Verão). Se alguém ficasse ao ar livre em tais condições por um longo período de tempo, isso irá sem duvidas drenar a vitalidade deles.

  • (A febre e o desmaio dela. Junto a essa quantidade de suor. Sem duvidas, esses são sintomas de insolação.)

Hiiro contemplou sobre como ele deveria lidar com a situação. Ele tinha considerado apenas deixa-la no banco, entretanto, haviam fortes raios de sol irradiando os quais apenas fariam a condição dela piorar.

  • (Uma toalha gelada deveria ser aplicada a pele. O paciente deveria ser movido pra sombra deitado de lado com os braços sob a cabeça. Os pés precisam ser erguidos com um objeto gelado aplicado a sola… espera, eu realmente estou pensando em tratar algo assim?)

Naquele momento, métodos de tratamento pra insolação surgiram na mente dele. Entretanto Hiiro percebeu que tais pensamentos era desnecessários.Ele a carregou pra sombra, colocou um dedo na testa dela e procedeu pra escrever algo antes de pausar.

  • “Por que eu tenho que fazer isso por ela?”(Hiiro)

Ele suspirou e tirou o dedo. Ele não tinha obrigação alguma de ajuda-la. Os sintomas não eram nada sérios também. Ele julgou que se ela descansasse, ela se recuperaria sem problemas.Quando ele a soltou, a garota abriu os olhos. Ela tremia enquanto desesperadamente começou a escrever em sua prancha de papel. Depois que terminou, ela mostrou ao Hiiro.

  • [Desculpa por te causar problemas. Obrigado por me carregar até aqui.](Mimiru)

Ela deu um sorriso de desculpas. Olhando pro rosto dela, ele viu uma única lágrima cair dos olhos dela. Hiiro estreitou os olhos. Ele repentinamente se sentiu irritado por algum motivo.

  • (Como eu pensei, o rosto dessa pirralha é realmente irritante.)

Ele tinha descoberto a fonte do desconforto dele durante o encontro. Era aquele rosto cheio com um senso de inferioridade e dor. Aquele sorriso, era um que estava a beira entre dor e felicidade. Hiiro se obscureceu quando ele notou aquela expressão estampada no rosto de uma criança.Se é doloroso então apenas diga que dói. Mesmo que seja apenas uma expressão de agonia em seu rosto, não tem problema. Ainda assim, pra ela forçar um sorriso quando exposta a tal situação apenas faria alguém ficar irritado.

  • (Essa pirralha é tão… até a Nanica é mais honesta do que ela.)

(Tl:Nanica = Muir/// tanto tempo sem traduzir que eu esqueço como eu chamava os personagens, então se não era assim, agora é.)

Fossem tempos bons ou ruins, Muir ainda era honesta consigo mesma. Na verdade, ela está tentando ser fiel a si mesma. Ela tem a tem a vontade de ser honesta consigo mesma. Entretanto, a garota diante dele vestia um sorriso como que pra não machucar aqueles a sua volta. Fedia à fraude, pra uma criança agir madura e colocar tal fachada, não era algo que podia ser facilmente aceitado.

Se fosse o Hiiro de sempre, ele teria apenas ignorado a garota. Ele apenas diria na cara dela. Que ele a encontrou por acidente enquanto passeava, aproveitando a chance pra partir.

Entretanto, nesse instante, Hiiro sentiu como se ele não devesse deixar a situação em seu estado atual. A sensação era a mesma de quando ele tinha se aproximado das «Cavermas Gree». Se ele não encarasse isso direito, algo desagradável pode acontecer.

Ele sentiu que se ele não cuidasse do problema com máximo esforço, ele iria se desviar de seu caminho. Entretanto, ele era incapaz de entender a razão por trás das suas premonições.

Ele estava apenas entendendo a situação por instinto. Uma importante encruzilhada da vida dele estava diante dele. Ele sentiu que se ele fizesse um erro agora, a existência dele se tornaria um mentira.

  • (Eu realmente não tenho nenhuma conexão profunda com essa pessoa, mas…)

Hiiro era um humano de outro mundo. Essa garota era uma Gabranth vivendo nesse mundo. Não havia como ter qualquer tipo de conexão entre eles. Ainda assim, nesse momento era como se a alma dele estivesse dizendo a ele que essa era a melhor escolha.

Assim, Hiiro aproximou-se da garota cujo o nome ele não sabia.

  • “Oy, o que eu estou prestes a fazer, você não pode contar pra ninguém, entendeu?”(Hiiro)

Dizendo isso, Hiiro se aproximou da garota enquanto ele se concentrou na ponta de seu dedo e começou a escrever.

  • (Ku~, como esperado, o dedo mal está se movendo.)

Estava ainda mais lento do que quando ele estava escrevendo a palavra “Dormir”. Ele pensou em parar, entretanto, ele estava ciente que se ele parasse enquanto tentando escrever duas palavras, ele receberia um duro efeito de «Repercussão». A partir do momento que ele tinha começado a escrever duas palavras, ele não tinha outra escolha a não ser termina-las.

A garota olhava pro Hiiro com uma expressão vazia imaginando o que ele estava fazendo. Hiiro apenas a ignorou e se concentrou em escrever a palavra. Diferente da palavra “Transparência”, Hiiro sabia que se ele perdesse o foco ele iria definitivamente falhar.

  • (Isso definitivamente passa a sensação de que não pode ser feito sem muita concentração.)

Enquanto pensava isso, Hiiro se focou pra valer em mover o dedo.

“Restaurar”(復活)… Hiiro tinha escrito uma palavra criada pra ajudar outra pessoa.

“Curar”(完治) e “Reviver”(蘇生) também passaram pela cabeça dele, mas ele sentiu que a palavra “Restaurar” se encaixaria melhor na situação. Na realidade, a magia que o Hiiro escolheu por instinto era muito similar a uma já existente. Claro, Hiiro não sabia disso.

Esse instinto, em relação a «Magia das Palavras», na verdade se tornaria um fator crucial no futuro.

Embora esse não era a primeira vez que o Hiiro escolheu uma palavra por instinto, em algum lugar dentro dele, ele se sentiu satisfeito com a sua escolha.

Uma luz brilhante branca apareceu, envolvendo o corpo dela em uma aura pálida. Após a luz se infiltrar no corpo dela, a pele dela queimada pelo sol voltou ao seu antigo branco lúcido. O suor dela também tinha parado.

Seguindo isso, a garota sentiu que ela não estava mais febril como antes. Ela repentinamente olhou em direção ao Hiiro, que estava arrogantemente olhando pra ela.

  • “Então agora. Tente falar, Fita.”(Hiiro)
Anúncios