Talvez por eu estar cansado em determinado momento durante a tradução nada parecia fazer sentido(disléxico) então se tiver algo estranho me avise que eu corrijo.

Boa leitura.

Traduzido de XCrossJ

Capítulo 66: O Trio Caótico

Hiiro, que tinha passado pelo quarto de hospedes, olhou pra trás pro caminho que sua jornada o tinha levado até agora.

Depois dele ter passado a montanha, uma floresta tinha aparecido diante dele. Passado rapidamente por tal floresta, ele se deparou com um pequeno lago que se espalhava pelo horizonte. No centro do lago ficava uma única ilha.

O lago era tão peculiar, que não seria estranho esperar-se ver o formato de uma rosquinha se alguém observasse o lago do céu. Em outras palavras, a ilha fazia perfeitamente o papel de furo da rosquinha. A água do lago tinha um tom carmesim profundo enquanto a pequena ilha flutuante exalava  uma presença esmagadora.

A razão pra isso era devido ao que estava sobre a ilha. Talvez em uma tentativa de destacar a presença da ilha, uma mansão consideravelmente grande havia sido erguida nela. Similar à anteriormente vista «Árvore do Rei», um jardim se espalhava, cercando a mansão. Nele haviam flores deslumbrantes e uma seleção te plantas que secretava um aroma agradável.

Silva relatou que está mansão era a qual ele servia. Como havia um bote preparado por perto, eles decidiram usa-lo. Parecia que o bote estava de frente para a Montanha Venom, podia ser determinado que o Silva tinha usado isso quando cruzando o lago.

Quando eles entraram no bote, enquanto vagarosamente indo para a ilha, Hiiro foi informado sobre as circunstâncias da mansão.

Parecia que haviam três indivíduos que moravam nessa casa, incluindo o Silva. Haviam a Mestre, a Maid, e o Mordomo. Isso significava que além desses três, não haviam outras pessoas no local.

Parecia que o jardim que era visível do bote fora criado pelo bem do hobby da maid. Além disso, foi dito ao Hiiro que como a Mestre era muito excêntrica, a personalidade dela era muito difícil de lidar.

Certamente, alguém normalmente não iria mandar seu servente em direção a tóxica «Montanha Venom». Isso era indicação da confiança da Mestre no Silva, ou…

Enquanto Hiiro pensava isso, ele chegou à ilha. Mikazuki olhou pro Hiiro como se perguntando a ele o que ela devia fazer. Enquanto Silva obviamente não podia deixa-la entrar na mansão, foi decidido que ela iria ser mantida numa área de alimentação pra animais. Como era bem perto, Hiiro esperou enquanto Silva guiou Mikazuki em direção a área de alimentação.

Ao olhar de perto, o tamanho da mansão parecia ter aumentado.  Era sem duvida um estabelecimento que emanava riqueza. Ainda assim os únicos residentes da mansão eram três pessoas, Hiiro certamente pensou que isso era peculiar. Como Hiiro não estava particularmente interessado, ele não se deu ao trabalho de perguntar*.

(Sr.Mítico: *As Hiiro was not particularly interested, however, he didn’t bother to ask about it.// Como Hiiro não estava particularmente interessado, contudo/porém, ele não se deu ao trabalho de perguntar.)

Ao que Hiiro saiu do jardim e se aproximou da mansão, ele encontrou uma garota solitária, limpando enquanto segurava uma vassoura em sua mão.

Notando a presença deles, a maid arregalou os olhos com toda a força enquanto gritava o nome do Silva de forma estarrecedora. Em seguida, ela continuou choramingando “Graças a Deus. Graças aos Céus.*” com olhos cheios d’água. Então ela redirecionou seu olhar pro Hiiro.

(*XCrossJ note: Ela repete Yokatta | 良かった o que é basicamente uma expressão de alivio. Eu usei variações por achar que se encaixa melhor.)

Ao perceber que ela estava completamente visível pro Hiiro, ela estremecia por qualquer motivo ao passo que o corpo dela tremia de medo. Como ele havia determinado que ele não era muito bem vindo, Hiiro se aproximou enquanto dava um sorriso torto.

Quando Silva explicou quem Hiiro era, a atmosfera de medo a cercando diminuiu levemente. Entretanto, os olhos dela imediatamente se arregalaram ao que ela gaguejou “N-n-n-n-nós precisamos reportar isso!”, a seguir ela abriu a porta com tremenda velocidade antes de entrar na mansão. *No instante em que ela tentou entrar na mansão, ela se estatelou no chão fazendo *doka*. Como não havia nada em que alguém pudesse tropeçar nas proximidades, aqueles que testemunhassem tal cena sentiriam-se exasperados.

(*doka* – som que ela fez ao cair)
(Sr.mítico: In the instant that she tried to enter the mansion, however, she flashily tumbled to the floor with a *doka*. // No instante em que ela tentou entrar na mansão, porém, ela se estatelou no chão fazendo *doka*.)

Enquanto Silva olhava pra situação dela enquanto dava um sorriso aparentemente agradável-

  • “Iya~ Como esperado, uma jovem dama é agradável, você não concorda~? Aquele *purunpurun* é absolutamente irresistivel~ Nofofofofo~”(Silva)

(Iya = Ahh/ Bem / Cara – de acordo com XJ, não é certeza;
*purunpurun* = onomatopeia pra balanço ou leve agitação;
Nofofofofo~ = Risada do Silva)

Deixe nos retirar a afirmação anterior. Se alguém fosse inspecionar atentamente, as bochechas do Silva estavam levemente coradas e o nariz dele estava um pouco maior. Além disso, havia uma luz perigosa espreitando no fundo dos olhos dele. Vendo isso, Hiiro involuntariamente se afastou.

  • “Então, havemos de prosseguir pra dentro.”(Silva)

Mesmo ele dizendo isso, Hiiro começou a seriamente considerar se estaria tudo bem seguir um pervertido desses. Entretanto, como ele tinha vindo até aqui, ele considerou que estaria tudo bem entrar desde que ele permanecesse vigilante sobre o pervertido.

Embora o interior fosse consideravelmente escuro, vasos altos, pinturas e outros ornamentos decoravam os arredores. A limpeza parecia ser bem meticulosa já que mal havia alguma poeira e as decorações eram mantidas em ótimas condições. Embora esse fosse provavelmente o trabalho da maid, Hiiro estava genuinamente impressionado como limpar uma mansão tão grande com tanta atenção aos detalhes não era algo simples.

Ao que Hiiro passou a sala de hospedes, ele foi dito para que esperasse lá. Assim, ele fez como foi dito enquanto ele se colocou no sofá.

  • (Deixando tudo isso de lado, isso é uma mansão bem grande, huh?)(Hiiro)

Hiiro pensou enquanto ele olhava pro lago visível da janela. Embora fosse verdade que uma mansão cercada por um lago pudesse certamente soar como um lugar romântico. Hiiro não podia evitar pensar por que eles iriam conspicuamente construir uma mansão sobre uma ilha como parecia seriamente inconveniente.

Fora construida devido a indulgencia da riqueza? Ou fora construida por alguma outra razão…

  • (Bem, eu realmente não ligo. Depois que eu terminar de comer, eu tô fora daqui.)(Hiiro)

Seria exatamente como era antes. Enquanto ele determinou que ele continuaria sua jornada sozinho, ele começou a escrever palavras em seu braço.

  • (Pra Mikazuki, Eu vou instalar “Velocidade”(速) e “Proteger”(防). Apenas pro caso de algo acontecer, melhor eu estar preparado.)(Hiiro)

As palavras que o Hiiro escreveu em seu braço eram “Proteger”(防), “Velocidade”(速) e “Bisbilhotar”(覗). As primeiras duas palavras eram geralmente usadas pra lidar com uma situação caso ela surgisse. A terceira palavra, “Bisbilhotar”(覗), quando ativada instantaneamente permitia que o Hiiro visse o «Status» do seu alvo. Como Silva era excessivamente sensível a energia mágica, se Hiiro quisesse usar magia, ele iria rapidamente chamar a atenção dele. Assim sendo, Hiiro imaginou que suas habilidades seriam eventualmente reveladas.

Assim sendo, se ele instalasse as palavras previamente, ele poderia ativar magia eliminando a necessidade de escrever palavras concentrando magia em seu dedo. Também, era possível ativar a magia e obter seus efeitos, mesmo em um curto período.

  • (Bem, ainda tem o limite de um minuto antes que eu possa ativar mas… bem, eu duvido que vou ter uma chance de usar isso.)(Hiiro)

Colocando a questão do limite de tempo de lado, Hiiro agora podia esperar o Silva vir antes de ativar as palavras, Entretanto, Hiiro duvidou que o Silva fosse vir dentro de um minuto. Ele também preparou palavras não pelo propósito de usa-las contra o Silva, mas para investigar a Mestre dele.

Como ele acreditava que ele não seria simplesmente levado direto à mesa de jantar, Hiiro pensou que mesmo embora o outro grupo fosse rico, ainda seria preferível ter informação sobre eles do que não ter. Pra esse fim, vendo como ele poderia ter um vislumbre dos «Status» deles, ele estava em uma situação muito vantajosa.

Uma vez que ele tinha feito suas preparações. Hiiro esperou por um tempo antes que Silva retornasse. Como seu uniforme de mordomo que anteriormente estava sujo agora estava limpo, era aparente que ele tinha ido trocar de roupas.

  • “Agora, por favor venha por aqui, pra que eu te apresenta a Mestre.”(Silva)

Seguindo o Silva, Hiiro partiu da sala de hospedes. Enquanto Hiiro andava por um longo corredor, um aroma agradável se espalhou pelo caminho, fazendo cócegas em sua cavidade nasal.

*Gugyuruu~*

(*Gugyuruu~* = *onomatopeia pro ronco do estômago)

Devido ao cheiro,um estômago começou a roncar. Entretanto, a fonte do som não era o Hiiro.

  • “Iya~, Eu acredito que meu estômago parece estar bem faminto~”(Silva)
  • “Maldito, você comeu minha comida, não comeu!?”(Hiiro)

Antes deles terem chego aqui, quase toda a comida do Hiiro estava agora supostamente residindo no estômago do Silva. Em despeito a isso, o fato que o estômago do Silva estava fazendo barulho era verdadeiramente chocante.

  • “Nofofofofo! eu devo estar pronto pra qualquer situação que surja! Porque eu sou um mordomo! Nofofofofo!”(Silva)
  • “Isso de novo não…”(Hiiro)

Ao que ele olhou cuidadosamente pro mordomo pervertido faminto, Hiiro podia apenas dar um suspiro. Hiiro queria fazer um tsukkomi* dizendo que ser um mordomo não tinha nada a ver.

  • “Veja, nós chegamos.”(Silva)

Ao que Hiiro parou em frente a porta, Silva começou a abri-la lentamente. O que apareceu diante dele foram várias mesas longas cobertas em toalhas de mesa totalmente brancas, sobre as quais haviam uma variedade de pratos asseadamente arrumados. O odor era tão estimulante que faria alguém engolir saliva involuntariamente.

Ao final das longas mesas tinha alguém sentado numa cadeira.

  • “Eu lhe dou as boas vindas, visitante incomum.”(???)

Ela possuía cabelo longo que se parecia com chamas por ter um tom carmesim ardente. Enquanto ela ergueu seus fortes, assertivos olhos em direção ao Hiiro, seus adoráveis lábios se distorceram no formato de uma lua crescente. Seu vestido completamente branco, no estilo Lolita Gótica combinava esplendidamente com seu cabelo vermelho.Embora ser observado por olhos avaliativos fosse desagradável, havia outra coisa que chamou a atenção do Hiiro.

  • (Essa pessoa não poderia ser…?)(Hiiro)

Ao que ele pensou isso, Hiiro olhou pro Silva, ao passo que o Silva respondeu com um pequeno aceno.

  • “Vou continuar com as apresentações. Essa é a mestre dessa mansão. Liliyn Li Hearing Reysis Redrose-sama.”(Silva)

Ouvindo a apresentação do Silva, Hiiro cuidadosamente olhou pra Liliyn.

  • (Como eu pensei…… mas mesmo assim……….)(Hiiro)

Ele mais uma vez examinou Liliyn. Ele exalou levemente.

  • (…….ela não é apenas uma pirralha?)(Hiiro)

De fato, a aparência dela era indiscutivelmente a de uma criança. Ela era muito similar a Muir. Bem, como a Muir era muito nova, talvez a comparação se aplicaria melhor a Mimiru.

O que estava diante dele podia apenas ser descrito como uma garota por volta da idade de dez. Entretanto, Hiiro sabia que Silva não contaria uma mentira tão sem sentido. Sendo assim, a garotinha que estava frente aos seus olhos realmente era a mestre dessa mansão, a pessoa a qual Silva servia.

  • (Então essa criança foi a autora responsável por mandar o Silva pra montanha venenosa?)(Hiiro)

Era natural duvidar dessa suspeita, entretanto, Silva simplesmente tirou um pente de seu bolso e começou a ajeitar o cabelo.

  • “Ó céus, ó céus, Nofofofofo.”(Silva)

Assim que o Silva disse isso, Liliyn começou a fazer beicinho enquanto o rosto dela estava cheio de aversão. Tendo ou não notado a expressão dela, Silva continuou.

  • “Aa… Como de costume, uma ojou-sama tão bonita e adorável…”(Silva)

(Ojou-sama = um termo usado pra se referir a uma garota de alta classe)

Enquanto ele imaginava o que diabos Silva estava falando, Hiiro meramente olhou pra ele.

  • “Não, eu estou enganado. Comparado a antes, você brilha como se você fosse uma lua sedutora sobre uma mística noite escura. Seu charme que não conhece tranquilidade. Eu… eu…”(Silva)

Vendo isso, Liliyn simplesmente balançou a cabeça em aflição.

  • “EU ESTOU INDESCRITIVELMENTE FELIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIZ!!!!”(Silva)

Enquanto o corpo do Silva estava tremendo, ele abruptamente pulou em direção a Liliyn. Em seguida…….

  • “Ojjoussamaaaaaaaaaa~~~~~~n-!!!!”(Silva)

Enquanto entusiasmadamente fazendo beicinho, Silva voou pelo ar com os braços abertos. Embora Hiiro tivesse visto muitas das excentricidades do Silva, mesmo ele estava perplexo, ficando atônito com a atual situação.

*Dogo!* *Baki* *Bako!* *Bogo~n!*

(*Som de golpes ou batidas)

Depois que alguns momentos se passaram, a cabeça do Silva estava mergulhada no chão. A figura que havia pisoteado suas costas com um único pé era Liliyn. A maid que estava perto dos dois começou a entrar em pânico enquanto ela inconscientemente continuava a balbuciar “Awa awa”*.

(*Uma expressão indicado que a pessoa está afobada)

  • “Inacreditável, esse maldito Jiji* pervertido! Por que diabos ele não apenas morreu!?”(Liliyn)

(*Uma alternativa pra Jii-san. Como não tem o sufixo -san é consideravelmente mais informal/rude.)

Embora parecesse que a garotinha tivesse falado algo ultrajante, uma voz abafada podia ser ouvida vindo do chão.

  • “Isto…. isto é… o que eles chamam de… amor….”(Silva)

*Bakin!*

(*onomatopeia pra algo sendo esmagado ou triturado)

  • “Bufo-!”(Silva)

(*som de dor/agonia)

Parecia que a garota tinha aparentemente dado o golpe final no pervertido. Ao que o corpo fora pisoteado pelo pé dela, ele fez um som desagradável. Desde então, o Jiji pervertido ficou em silencio.

Depois de tirar o pó dela mesma com um *ponpon*, ela se sentou no assento no qual ela tinha se sentado antes.

(*pon* = onomatopeia pra palmadinha)

  • “Bem, eu exterminei o inseto asqueroso. Shamoe, apresentação.”(Liliyn)

Liliyn continuou as apresentações como se nada tivesse acontecido. A maid provocada deixou escapar um “Feh!?” enquanto ela apressadamente baixou a cabeça.

(XJ Note: (フェ) Fe é uma expressão de susto. Eu estou bem certo de que é diferente da frase popular de uma certa garota ‘Fue’.)

  • “A-awawawawawa! A S-Shamoe é, bem-! Hum, Shamoe é uma maid então eu faço a limpeza, cozinho, e jardinagem como um hobby pra uma maid, s-s-s-s-s-se você fosse dizer de forma simples, então eu sou só uma maid comum!”(Shamoe)
  • “…embora você tenha dito que era uma maid três vezes na sua apresentação?”(Hiiro)
  • “Fe-!? E-e-e-eu falhei de novo!”(Shamoe)

O rosto dela corou num vermelho vivido. E então-

*Gongongongongongongongon!*

(*som de batidas)

Ela começou a martelar a testa contra a parede.

  • “Baka baka baka baka-! Shamoe é uma grande baka! Mesmo embora eu tenha decidido que iria fazer isso direito~~!”(Shamoe)

(baka = idiota)

Hiiro começou a reavaliar a situação. Enterrada no chão estava a cabeça de um mordomo pervertido. Próxima a parede estava uma maid que repentinamente entrou em pânico, batendo repetidamente a cabeça aos prantos, uma garotinha.

  • (Isso é sem duvidas caos…)(Hiiro)

Hiiro começou a suspeitar que ele cometeu um grande erro ao vir pra essa mansão.

Nota do Autor: Iya~ um trio tão divertido lolol.

(XJ Note: Lol é expressado como ‘w’ em japonês. w é abreviação pra warau (笑う) que significa ‘riso’. Como haviam dois ‘w’s eu optei por dois Lols. Quanto mais sabe…?)

Anúncios