Fiz uma pequena mudança no estilo de formatação.

Traduzido de NetBlazer

Capítulo 45: As Raízes dos Gabranth

Comparado à primeira vez que eles se encontraram, a sala que se parecia com um laboratório para qual eles haviam retornado tinha uma coisa diferente.

  • “O- O que se passa com essa coisa?”

Hiiro, olhando pro objeto estranho que estava bem na frente dele, perguntou franzindo a sobrancelha.

  • (É branco e pequeno e parece um coelho… isso não é?)
  • “Oo, faz um tempo desde que eu vi o «Espírito» da Shishou.”
  • “«Espírito»? Você está falando dessa coisa?”

Hiiro involuntariamente lançou um olhar desconfiado. Não importa como você olhasse, o que estava na frente dele se parecia exatamente com um coelho de neve que crianças fariam em dias de neve. Como ele estava saltando de um lado pro outro energeticamente, parecia impossível não ficar surpreso.

  • “Mais importante, aquele aviso era real?”

Quando Rarashik perguntou ao «Espírito», ele respondeu afirmativamente balançando sua cabeça levemente pra baixo e pra cima.

  • “De jeito nenhum…o que no mundo… não poderia ser que o caso irregular na verdade faria…?”

(Tl: What in the world…? = O que no mundo…? / uma expressão tipo ‘mas que porra…?’ só que não pejorativa. Eu sei que deve ter algo proporcional em português, mas eu não me lembro…)

Rarashik colocou uma mão no queixo. Arnold agiu como representante daqueles no escuro quando ele falou.

  • “E-Er, Shishou? O que exatamente…?”
  • “……………..”
  • “E-Er?”
  • “…………….”
  • “S- Shishou…?”

Não importava o que o Arnold dissesse. não havia resposta. Rarashik apenas manteve-se lá, congelada numa postura pensativa como se o tempo dela tivesse parado.

Arnold coçou a cabeça enquanto ele olhava em direção ao Hiiro pra uma resposta. Entretanto, Hiiro apenas encolheu os ombros enquanto ele se inclinou contra a parede. Arnold não tinha escolha a não ser esperar que Rarashik saísse de seu transe. Portanto, Arnold colocou a Muir que estava inconsciente na cama.

Depois de esperar um pouco, o «Espírito» começou a saltitar em cima da cabeça da Rarashik. Como se aquele ataque estimulasse algo no cérebro dela, Rarashik finalmente redirecionou o olhar em direção aos outros.

  • “Ah, Shishou?”
  • “………haa~”

Rarashik deu um grande suspiro. Não sabendo o motivo pelo quando mostrava tal atitude depressiva, Hiiro e seu grupo olharam um pro outro com suas cabeças inclinadas pro lado confusos.

  • “Shishou? O que no mundo acabou de acontecer?*” (Tl: De novo…)

Quando Arnold perguntou pela segunda vez, pareceu que eles iriam finalmente receber uma explicação. Além disso, o conteúdo da resposta foi surpreendente.

  • “…O exército esta retornando.”
  • “…hee~ o exército está, huh? Eu não sabia que… espera um minuto, S-S-S-S-Sério!?”

Arnold tinha respondido com grande força. Entretanto, o conteúdo da resposta era tão surpreendente que o cérebro dele perdeu o compasso, fazendo que o tempo que ele demorou pra entender aumentasse.

O exército real deveria estar no meio da guerra nesse momento. Além disso, eles começaram a guerra apenas à três dias. Era uma batalha que determinaria o destino de duas poderosas raças, era impossível que a guerra terminasse em apenas em três dias. Ele tinha tomado as palavras da Rarashik como piada. Entretanto, ela tinha uma expressão séria no rosto.

  • “Sério. Meu «Espírito» investigou cuidadosamente o assunto.”

Assim dizendo, Rarashik colocou a mão na cabeça do «Espírito»

  • “E-Espera, você diz investigou… huh Você fala da guerra, certo?”
  • “Aa.”
    “A guerra que começou à apenas 3 dias?”
  • “Provavelmente.”
    “Ainda assim, o exército real está retornando?”
  • “Aa.”
  • “…mesmo se nós perdemos, isso não é rápido de mais? Não, mesmo se eles foram vitoriosos, seria igualmente inacreditável.”

Era exatamente como Arnold assumiu. Mesmo que eles tivessem perdido, eles iriam apenas juntar a elite dos Gabranth e reabastecer suas forças na fronteira. Os números são um fator significante na guerra. Eles não eram uma força que poderiam ser completamente subjugada dentro de 3 dias.

O mesmo podia ser dito sobre o adversário Evila. Atrás de suas linhas de frentes estava seu território de origem. Mesmo que os Gabranth tivessem conquistado a vitória, eles acabariam tendo que encarar toda a força dos Evila. Invadir completamente dentro de três dias era impossível.

  • “??… você está certa de que esse relatório não é falso?”

Era compreensível pro Arnold pensar aquilo. Entretanto, Rarashik apenas balançou a cabeça.

  • “Não, eu pedi a essa criança que monitorasse o destino da guerra, eu também mandei que soasse um alarme se o rei se retirasse do campo de batalha.”

Enquanto explicava, Rarashik apontou pra um botão vermelho instalado na parede. Certamente, um botão vermelho existia lá.

  • “Então… é realmente verdade?”
  • “Esse parece ser o caso. Se você quer detalhes, essa criança viu tudo, então se nós escutarmos então talvez nós possamos entender o que aconteceu.”
  • “O exército real já está no país?”
  • “Não, eles ainda não chegaram. Entretanto, nós estamos falando daquela pessoa então voltar não deveria ser…”

Enquanto os dois fizeram uma expressão difícil enquanto eles pensavam sobre a situação atual, Hiiro, que estava escutando em silêncio, abriu a boca.

  • “Oy, mais importante, o que é um «Espírito»?”

Não importavam as circunstâncias, ele mantinha seu ritmo individual de sempre.

  • “V- Você é inacreditável! A guerra acaba de terminar, sabe, a guerra! Em vez de dizer ‘mais importante’, fique um pouco surpreso, huh?”

Qualquer um teria compartilhado dos sentimentos do Arnold. Entretanto, Hiiro franziu a testa mal-humorado e olhou para ele com descontentamento.

  • “Eu não ligo a mínima pra guerra. Francamente, eu estou mais interessado naquele camarada gelatinoso.”

Hiiro já encontrou os Pheon antes. Ele até falou diretamente com a Rainha das fadas. É precisamente por causa disso que o Hiiro tinha considerável interesse na existência conhecida como Espíritos. É por causa disso que ele estava interessado na pequena existência do «Espírito». Além disso, ele sentiu algum tipo de afinidade com a forma dele.

  • “V- Você realmente é…”

Embora Arnold, que estava impressionado com a atitude indiferente do Hiiro, tenha o encarado com olhos meio abertos, Rarashik podia apenas olhar pra ele com uma expressão vazia. Então, quando sua boca rígida começou a relaxar…

  • “Nahaha! Você é definitivamente uma pessoa interessante, boya~”

…Ela soltou uma voz barulhenta enquanto ria.

“Em pensar que alguém não teria interesse algum nessa situação anormal! Melhor ainda, que essa pessoa é mesmo que nós, um Gabranth! Nahahahaha!”

‘Não, mas ele não é um Gabranth…’ é o que Arnold quase disse sem pensar. Entretanto, elede alguma forma conseguir se conter.

Rarashik estava rindo tanto que haviam lágrimas saindo dos olhos dela. Ela esfregou os olhos de leve antes dela erguer ambas as mãos em direção ao «Espírito» no topo da cabeça dela, o segurando entre elas.

  • “Certo, eu vou te dizer. Essa criança é meu «Espírito», Yuki-chan”

‘Então não é comida?’ é o que Hiiro pensou mas não disse em voz alta. Nesse mundo, certamente parecia que neve estava presente. Entretanto, não havia como dizer se o modo como eles brincavam com a neve era o mesmo que no Japão.

“Então por que ele está aqui? Na verdade, você pode até mesmo fazer um «Espírito» trabalhar?”

  • “Nn~ Boya, mesmo embora você seja um Gabranth, você não sabe isso? Isso me lembra, você não parece tem um bracelete sem nome… você é mesmo um aventureiro, boya?”

Hiiro ficou sem ideia de como responder. Hiiro simplesmente não era um Gabranth. Ele apenas usava «Magia das Palavras» para se disfarçar, não pra equipar-se com um «Bracelete Sem Nome». Pelo que ele tinha ouvido Arnold lhe dizer, todos Aventureiros Gavranth usam um bracelete a fim de extraírem seus poderes quando em combate.

Não possuir um bracelete significaria que ele seria incapaz de usar a habilidade do «Contrato», severamente limitando o potencial de batalha dele. Arnold olhou pro Hiiro, inquieto enquanto ele também tentava achar uma resposta.

  • “Nn? Não, um momento atrás você usou aquela habilidade estranha, certo?…boya, o que no mundo….”

Hiiro se lembrou de quando ele foi visto usando sua «Magia das Palavras».

  • “Também, você é da mesma raça que a pequena senhorita, certo?Você não possui um bracelete como o dela, você é capaz de usar um habilidade estranha. E acima de tudo, seu conhecimento dos «Espíritos» é severamente limitado…”

Hiiro estava gradualmente sendo encurralado. Vendo aquilo, Arnold era incapaz de continuar vendo aquela situação. Entretanto, a atitude do Hiiro não mudou. Era o mesmo, comportamento indiferente de sempre.

  • “Não responda uma pergunta com outra. Se você pretende bisbilhotar mais, você não liga se eu partir, certo?”

Quando Hiiro indiferentemente deu sua resposta, ele estreitou os olhos quando ele encontrou o olhar fixo da Rarashik. Pensando que Rarashik tinha sido irritada, Arnold estremeceu. Entretanto, a primeira a quebrar a competição de encarar foi Rarashik.

  • “Ha~, não tem jeito. Mesmo embora meu coração curioso esteja doendo, eu acho que eu deveria deixar as perguntas pra depois. Além disso, como você parece insistir que eu termine minha explicação anterior, eu vou parar de te fazer perguntas.”
  • “Aa, embora perguntar pro Ossan sobre isso também está bom pra mim.”
  • “Aaaa~aaaa~, eu realmente quero saber. Hey boya, quer se tornar meu objeto de estudos?”
  • “Eu me recuso.”
  • “Uu~, mesmo que tal existencia tenha despertado minha curiosidade~”

Rarashik abraçou seus ombros com ambas as mãos, contorcendo-se com as bochechas coradas. ‘Mas que garotinha perturbadora’ é o que passou pela cabeça do Hiiro.

  • “Meh, não tem jeito. Ninguém iria aceitar nada que um estranho pedisse deles.”
  • “Colocando isso de lado, você vai falar ou não?”

Colocando uma cara descontente, Rarashik falou.

  • “Entendi, entendi. eu vou te dizer, certo? Escute, esse «Espírito» é uma existência diferente comparado aqueles que vivem naturalmente nesse mundo.”
  • “…O que você quer dizer?”
  • “Eu estou assumindo que você já sabe que quando você desperta o bracelete, você vai formar um contrato com um «Espírito» o que vai dar ao bracelete um nome.”
  • “Aaah”
  • “Arnold fez o contrato com o «Espírito do Vento» o que fez do bracelete dele um «Bracelete do Vento», enquanto a pequena senhorita fez um contrato com o «Espírito do Trovão», criando um «Bracelete do Trovão». Entretanto, mesmo se dizermos que nós formamos um contrato, os «Espíritos» contratados não são daqueles que estão normalmente presentes nesse mundo. Os «Espíritos» contratados são aqueles que ficam adormecidos dentro do contratante.”
  • “Adormecidos?”
  • “Sim. Os Gabranth eram originalmente uma existência formada pelas feras que se integraram com os «Espíritos».”
  • “Hou~”

Se o que ela disse era verdade. Os Gabranth poderiam ser considerados como «Phoem» que obtiveram uma moldura maior.

  • “Bem, a muito tempo atrás nós eramos chamados «Feras Sagradas». Nós não tínhamos forma humanoide como agora. Ao passar do tempo, nós lentamente nos transformamos pra fazer a vida mais fácil. É irônico que nós acabamos com uma forma humanoide.”

É verdade que estar na forma humana é melhor que estar em uma forma animal. Na forma humana, eles são capazes de usar seus braços e pernas livremente. Com isso seria mais fácil também criar ferramentas e objetos.

  • “Mas ao mesmo tempo o «Espírito» Gabranth também tornou-se mais fraco. Eu não sei como e por que mas nós parecemos ter perdido a habilidade de usar magia. Entretanto, parece que nossa habilidade física e força vital foi aumentada.”
  • “Entendo, essa poderia ser o motivo por que vocês tem flexibilidade, mobilidade, e vitalidade de feras. Vocês foram capazes de manifestar a força de seus «Espíritos».”
  • “Sim, mas não muda o fato que nós estamos mais fracos que antes.  Nós temos o poder do «Espírito» dentro de nós.”

Rarashik bateu no peito quando ela disse isso.

  • “Entendo, o «Bracelete Sem Nome» é o gatilho pra acordar aquele espírito, certo?”
  • “Oh, você é bem esperto. Mas se você não tiver força o suficiente esse bracelete não vai ativar.”
  • “Então ele é tipo um intensificador?”

Verdadeiramente, era incrível pra alguém ser capaz de fazer algo assim. É exatamente como o pai dela, poderia ser considerada a descoberta do século.

  • “Intensificador huh? Isso não está completamente errado. É algo que extrai o «Espírito» da pessoa e então o amplifica ao limite.”
  • “Então, se nós recorrermos ao «Espírito», significa que nós estamos recorrendo à nossa própria força certo? Então, isso não quer dizer que nós estamos fazendo um contrato com nós mesmos?”
  • “Bem, falando de forma simples, o «Espírito», é apenas outro você. Uma alma que existia no passado, existe até agora sem um fim. Nós os chamamos de «Espírito Alma».”
  • “Então você fez um contrato com esse «Espírito Alma»”
  • “Aa, sim, Yuki que está diante de você é uma manifestação do «Espírito Alma. Entretanto, apenas alguns Gabranth são capazes de fazer algo assim.»”

Hiiro olhou para Arnold com expectativas.

  • “De qualquer forma, eu ainda não sou capaz de fazer algo como a «Invocação do Espírito».”

Ele disse com uma expressão amuada e baixou os ombros. Naquele momento, Hiiro lembrou da habilidade «Invocação do Espírito» que ele viu na tela de status dela.

  • (Aquela é a habilidade pra invocar aquela coisa huh)

Hiiro olhou para o coelhinho fofo Yuki que estava fazendo coisas na sua área de influencia.

  • (Pensar que as raízes dos Gabranth são «Espíritos» isso é bem interessante)

Era uma boa ideia aprender isso agora. Se uma pessoa, fingindo ser um Gabranth não soubesse algo como isso, levantaria suspeitas daqueles a sua volta. Era boa sorte ouvir algo como aquilo agora.

  • “U…”

Naquele momento, Muir acordou e Arnold rapidamente foi para o lado dela e começou a falar com ela.

Anúncios